Espírito Santo: Auxílio imediato (Daniel Pio – Presidente do Conselho Estadual RCC Minas)

Após Deus abrir o quarto dia de Seara com a Armadura do Cristão, Ele quis nos convidar a experimentar do Espírito Santo e viver o plano e o propósito de Deus para a nossa vida hoje. De Belo Horizonte, Ele trouxe o Daniel Pio para testemunhar sobre “Espírito Santo: auxílio imediato”.
Apocalipse 22 – 17 “O Espírito e a Esposa dizem “Vem. Possa aquele que ouve dizer também “Vem!”. Aquele que tem sede, venha! E que o homem de boa vontade receba, gratuitamente, da água da vida!”

Todos nós estamos sofrendo e angustiados. A pandemia ofereceu um grande declínio de fé para o povo de Deus. Logo no início desse tempo, o pregador questionava Deus “Onde estão os teus profetas para te anunciar?”. Foram muitas pessoas que sucumbiram ao longo do isolamento. Olhar para esse tempo nos faz perceber que o povo de Deus está angustiado, sofrendo e alguns até se perdendo. Se estamos aqui hoje, no Seara, Deus tem cuidado de nós e isso é motivo de muito louvor. Deus tem um plano para nós HOJE.

Como é providente o tema desta pregação hoje, porque o Espírito Santo é o AUXÍLIO IMEDIATO, como Deus disse “É o Deus conosco”. São Cirino diz que o Espírito Santo é fonte de água viva, a água que fecunda, faz germinar e dar frutos. Como São Paulo afirma em 1 Coríntios 12 – 11, são frutos de profecias, pregações, intercessores e adoradores. Deus, ao olhar para o seu povo afirma “Este meu filho(a) vai me honrar em determinado dom”, mas todos provêm do mesmo Espírito.
Deus deu a visualização de escombros, e ao se aproximar, pôde-se ver pessoas feridas e afirma “Esta é a realidade que vocês irão encontrar ano que vem”. Pessoas que necessitam de ser cuidadas, resgatadas e reanimadas.

“Senhor, porque as pessoas estão tão feridas?” Estamos todos no mesmo barco, todos agonizados, cansados. Por isso muitos se queixam: “Porque ninguém me procurou?”. Não conseguimos oferecer aquilo que não temos. E quem nos sustentou até aqui foi Deus e agora precisamos partir da ideia de que tem pessoas que precisam de nós, aquelas que voltaram à vida velha.
Ao longo do período das “lives”, as pregações, intercessões, louvores e demais funções foram selecionadas para os “melhores” e aqueles que não tiveram função foram se ocupar de outras coisas, e aí que temos aqueles que se perderam. Diante dessa perspectiva, o Espírito Santo continua sendo o nosso auxílio imediato, quer nos robustecer, nos inflamar e infundir os seus dons. Precisamos nos abastecer no Espírito para ir ao socorro daqueles que estão embaixo dos escombros. Mas na nossa própria força não conseguimos. Tomamos a decisão de ir ao encontro desses que precisam de nós, mas na força do próprio braço, vamos nos cansar. Existe em nosso coração a necessidade de ir ao encontro, mas de Deus que vai vir o auxílio de potencializar a ação.

O Espírito está disponível e quer vir em meu auxílio, Nele eu tenho a força necessária para fazer o que me é inspirado.

O Espírito é a promessa do Pai que nos ama de forma incondicional, do jeito que somos e incansavelmente. Esse amor que enviou o Espírito para auxiliar na luta contra o pecado. Quando a notícia do pecado nos entristece, o Espírito anuncia que Jesus se sacrificou por nós. Jesus diz em São João 14 – 26 “O paraclito, o Espírito Santo que o Pai enviará em meu nome, irá ensinar-vos todas as coisas e vos recordará tudo o que vos tenho dito”. O Espírito é o mestre que Jesus nos deixou, para ensinar e guiar. Precisamos ter matéria prima para o Espírito nos recordar, mas vai ter momentos em que Ele suspirará coisas que nosso coração ainda não conheceu, como o pregador relatou a inspiração “Esta extinta a punibilidade” que Deus o deixou, mas ele nunca havia executado tal expressão. O Espírito recorda, mas quando necessário, Ele vai ensinar coisas que o nosso coração ainda não escutou.

Jesus continua a ensinar, que o Espírito dará testemunho Dele e gera em nós algo profundo que é intimidade. Intimidade que nos leva a oração de quebrar corações.

O pregador finalizou com o testemunho do potencial de transformação que o Espírito tem, expondo a conversão que ele viu através de seu gosto pela música em um grupo de oração da RCC. Ali Deus começou a suspirar o desejo de estar onde o povo de Deus está, em missão. Ao chegar no local do envio, na Canção Nova, Deus usou de um irmão para dizer a ele: “Irmão, tem quanto tempo que você não confessa?” e passou pelo processo da catequização e quando percebeu estava na fila da confissão. E o resultado final foi o de um pedido de Perdão, aquele que liberta.

O Espírito quando desce sobre a nossa vida, dá renovação e movimento, entrega a nós a vontade de decisão. Se abrirmos à ação Dele, muita coisa vai acontecer em nossa vida.

O Espírito é auxílio imediato, é antidoto contra todos os males dessa vida. Nos robustece e santifica. Nele temos força, sabedoria e consolo, submissos a Ele, encanarmos a mensagem do Evangelho e estamos prontificados a dizer quem é Deus.

Comentários no Facebook