É necessário amar a Deus sobre todas as coisas

A Santa Missa desta segunda-feira, 28 de fevereiro, foi presidida pelo Monsenhor Luiz Antônio, que em sua homilia destacou a atitude do jovem rico chamado por Jesus para largar tudo para entrar no Reino dos Céus. Convidado a abandonar suas riquezas, o jovem hesita e não aceita o convite.

Monsenhor Luiz Antônio refletiu sobre os mandamentos que todos os cristãos são convocados, por Amor a Deus, a viver. No caso do jovem rico, ele cumpria todos os mandamentos, com a exceção do primeiro: amar a Deus sobre todas as coisas.

O jovem não foi capaz de largar suas riquezas. Da mesma forma, nós, muitas vezes não amamos a Deus sobre todas as coisas. Por diversas vezes colocamos nossa família, no emprego e outras coisas antes de Deus.

Uma casa sem fundamento não se sustenta. Segundo Monsenhor Luiz Antônio, o amor a Deus sobre todas as coisas ou até mesmo a busca por viver plenamente este amor, nos leva a viver bem os outros mandamentos.

A prova mais evidente de que não amamos a Deus sobre todas as coisas é porque não somos santos. Temos uma vida mais ou menos regular. Monsenhor Luiz Antônio ressaltou que o Amor a Deus é a chave para todas as respostas, por isso, precisamos reordenar o nosso coração e colocar o Senhor como prioridade em nossas vidas.

Santo Agostinho tem uma expressão que é “A ordem do Amor”, quando colocamos em foco o amor a Deus sobre todas as coisas, nossas vidas vão entrando em ordem. A pessoa com a vida mais desorganizada que se abre a deixar Deus ordenar seu ser passa a viver maravilhas.

De acordo com Monsenhor Luiz Antônio, foi diante da falta de amor a Deus sobre todas as coisas, que o jovem rico não teve condições de aceitar o chamado a ser apostolo feito por Deus. Quanto a nós, cabe buscar este Amor a cada dia, em cada situação, pois todas são oportunidades.

Durante o Seara, todos nós somos chamados por Deus a uma vida nova. Até mesmo as pessoas que frequentam o retiro há muitos anos são chamadas a amar a Deus sobre todas coisas, pois isso dá harmonia e ordem a vida e como expressão concreta, Deus nos dá um caminho de pensar coisas santas. É necessário perseverar e, finalizado o retiro, que a gente passe a executar coisas santamente no nosso dia a dia, pois assim, verdadeiramente, estaremos servindo a Deus. Não podemos permitir que o apego ao pecado nos impeçam de viver de maneira santa.

Comentários no Facebook