Não vos conformeis com este mundo (Rm 12, 2)

Não vos conformeis com este mundo (Rm 12, 2), esta é a ordem de Deus para ser vivida por cada um de nós, que caminha junto com a Renovação Carismática no ano de 2020, e, é claro, no Seara 2020. Diante desta exortação, podemos nos questionar: Com o que devo me conformar? Que caminho percorrer durante o ano que se inicia? Na prática, como obedecer a esta ordem de Deus?

Ao ler este versículo, uma palavra me saltou os olhos? CONFORMEIS. Fazendo uma análise da origem desta palavra, observamos que ela vem de: Com= junto, formeis= forma, modelo, essência, no sentido de estar “modelado com”. Mas, por que Deus nos deu esta ordem agora?

Deus criou o homem à Sua imagem e semelhança. No princípio, fomos “conformados”, “modelados com” a imagem de Deus, ou seja, mesmo que a imagem de Deus seja algo pouco “palpável” aos nossos olhos, a forma mais aproximada de contemplá-lo é olhando para o homem, sua imagem e semelhança.

Com este versículo, Deus nos diz: “ops, meu filho amado, fostes criado conforme minha imagem e semelhança, para serdes santos, como eu, mas vocês estão indo pelo caminho errado, estão se modelando em pessoas, ações e coisas onde eu não estou”.

Muitas vezes, temos os passos de nossos “ídolos”, cantores, artistas, referências profissionais, todos monitorados, e trazemos seus exemplos para dentro de nossos lares, de nossa vida. Deixamos que nosso ser seja modelado por coisas e pessoas mundanas.

Deus nos exorta a voltarmos à nossa essência, e vejo que, de forma radical, pois o relativismo muito nos afasta da imagem de Deus. Nos nossos dias, tudo tem uma conotação de equilíbrio e moderação, de busca pelo prazer e por tudo que demande um mínimo esforço de nós. E nos esquecemos que o céu é dos violentos. Mas como sermos violentos nesta busca de conformidade com o céu?

Deus, em sua infinita bondade, nos deixa o caminho das pedras, um caminho que com certeza nos levará a lutar contra tudo o que nos afasta de nossa origem que é o Céu. Este caminho é a vida dos santos. Pessoas como nós que souberam chegar à sua essência que é o próprio Cristo.

Muitas vezes, olhamos para a vida dos santos e pensamos ser uma realidade extremamente distante, pois eles eram santos e tinham a graça de Deus que os amparava. Leviano pensamento esse nosso. Ninguém nasce santo! Todos, dentro do chamado que Deus nos faz, precisamos percorrer, a passos firmes, mas nem sempre largos, o caminho da santidade.
Analisando a vida de alguns Santos, podemos ver, ainda em vida, experiências místicas extraordinárias, acompanhadas, é claro, de muita resignação e sacrifício, pois estar perto de Deus tem um preço, que muitos não querem pagar. Esses são escolhidos por Deus para prenderem a nossa atenção e nos converter.

Tenho notado, mas sem nenhum estudo aprofundado, que santos canonizados em nossos tempos, como Madre Teresa de Calcutá, Santa Teresinha do Menino Jesus, Santa Dulce, São Luiz Martin e Santa Zélia, entre muitos outros, percorreram um caminho de santidade pautado no ordinário da vida.

Afirmo, sem medo de errar, que não nos conformar com esse mundo significa, no ordinário de nossa vida, ter a vida dos santos como modelo, de forma que o Céu esteja cada vez mais próximo de nós, e, também, ter perto os incômodos que isso nos acarreta, é claro.

Patricia Nunes
Ministério de Comunicação Social da RCC Viçosa

Comentários no Facebook