Deus me conhece e me ama

Eugênio Jorge começou a pregação cantando e nos deixando com vontade de conhecer e experimentar as inspirações de Deus em sua vida missionária. Falando sobre as canções, ele mencionou “Maria, santa e fiel” e “Meu Senhor e meu Deus”, ressaltando que a música acessa o coração das pessoas antes de qualquer coisa. As canções que Deus inspirou a ele, são conhecidas e cantadas no Japão, no idioma daquele local. Admirado, ele disse para si mesmo: “É Eugênio, Deus vai sempre além de nós”.

O público do Seara acompanhou atentamente seu testemunho e cantou com ele suas canções. Estar em Viçosa, para Eugênio, é uma felicidade, pois seu filho estudou nesta cidade e o local traz boas lembranças. Agora, Deus novamente lhe deu a graça de estar aqui neste tempo favorável, neste Kairós.

Em seu testemunho, Eugênio lembrou-se do seu primeiro retiro com o Padre Jonas, quando ficou espantado com um sacerdote “maluco” que resolveu rezar durante uma festa extremamente pagã. “Ousado, o Monsenhor Jonas começou o encontro com uma caixinha de som, que tinha entrada para violão e microfone. Enquanto ele falava, um menino tocava violão e surpreendentemente o encontro se encheu de jovens, que queriam rezar e se encontrar com Deus”, contou.
Eugênio Jorge relembrou ainda que naquela época, um retiro de carnaval existia somente na Canção Nova. No entanto, Deus quis espalhar essa semente e, segundo ele, hoje podemos vivenciar o Seara em Viçosa. Aproximadamente 10 milhões de católicos se reúnem em retiro de Carnaval pelo Brasil inteiro.

“Quem fala para vocês é alguém que conhece de samba, de carnaval. Eu fui sambista, mas o Senhor olhou para mim e disse: ‘Eu sou seu Deus! Te comprei a preço de Sangue’. Larguei o tamborim e disse: eis-me aqui! Eu só tinha 16 anos e hoje posso dizer para vocês que vale a pena ser de Deus!”, testemunhou Eugênio.

Somos criados já na dependência, enquanto nenéns é necessário que nossa mãe nos dê o alimento para não morrermos de fome. Esse simples exemplo foi usado pelo pregador para percebermos que somos dependentes de Deus. A passagem de cada pessoa na terra é um ciclo que se inicia no coração de Deus e terminará n’Ele.

O salmo 138 foi utilizado pelo pregador para relembrarmos do Amor de Deus por nós. “Fostes vós que plasmastes as entranhas de meu corpo, vós me tecestes no seio de minha mãe” (v. 13). Deus teceu cada um de nós até formar um tecido maravilhoso, por isso devemos contemplar nossa beleza. É necessário reconhecer que somos filhos de Deus e devemos bendizê-lo, salientou Eugênio Jorge.

O pregador ainda recordou do seu tempo de namoro, em que sua esposa escrevia cartas para ele. A cada retorno para casa, após as missões, Eugênio se surpreendia com as palavras da mãe de seus cinco filhos. “O salmo 138 é uma carta de Deus para cada um de nós, em que Ele diz que te ama, porque te conhece. Nada do que você faça poderá te apartar desse amor”, ressaltou.

Eugênio destacou que nada pode mudar o amor que Deus tem por cada pessoa, mesmo que façamos algo que O decepcione ou cometamos inúmeros pecados, Ele continuará nos amando. Aconselhou ainda que não deixemos o maligno corromper nossos pensamentos, porque ele sabe que ao sermos imagem e semelhança de Cristo o reinado do mal estará arruinado.
Em sua infinita misericórdia, Deus enviou seu filho único, Jesus Cristo, para que todo nele crer não pereça, mas tenha vida eterna. São Paulo nos prova que somos filhos de Deus, que enviou o seu Espírito Santo aos nossos corações. Pelo sacramento do Batismo também fomos introduzidos na filiação divina e, segundo Eugênio, a condição para entrarmos no reino de Deus é reconhecer e dizer: Meu Senhor e meu Deus!

O Ministério de Música acompanhou Eugênio Jorge a cantar sua composição e abrir o coração do público presente. “Meu Senhor e meu Deus, eu creio, mas aumenta a minha fé. Dá-me uma fé viva, dá-me uma fé nova. Traduzida na vida, testemunhada, no amor pelos irmãos”.

Eugênio ressaltou que quando temos essa fé, somos transformados a ponto de nossa mãe não nos reconhecermos. Dessa forma aconteceu com ele, que ao se converter sua mãe achou que estava doente. “Perdi a vontade de ensaiar para o Carnaval, peguei a bíblia da minha mãe para ir ao grupo de jovens e quando ela me viu pensou que eu tivesse ficado louco”, contou.

O Espírito Santo quer fazer um sinal para o mundo e Deus tem desígnios para cada um de seus filhos, por isso, devemos olhar para nós como filhos amados capazes de gerar vida, de deixar de viver como um animal, pelo instinto.
Mais uma vez, a música “Meu Senhor e meu Deus, eu creio, mas aumenta a minha fé” foi ministrada e nos motivando a responder à carta de amor que recebemos de Deus no Salmo 138. Eugênio indagou ainda sobre a nossa resposta às inúmeras declarações de amor que Deus nos faz.

Antigamente, as pessoas levavam tempo para revelar foto e gerava uma expectativa para ver as imagens daqueles momentos de alegrias registradas. Hoje é possível ver as fotos pela tela do celular. “A nossa vida é como um filme fotográfico e Cristo Jesus que habita em você precisa ser revelado, esperado e degustado. Senão, o mundo não vai saber que Cristo habita em seu coração. Deus quer se revelar e nós devemos deixar que Ele se revele para que todos digam: que coisa linda Deus fez na vida desse sujeito”, concluiu Eugênio Jorge.

Um lindo manifesto de fé foi feito pelo pregador encerrando o momento e nos fazendo desejar viver novas experiências com Deus.

Patricia Nunes
Equipe de Mídias do Seara 2020

Comentários no Facebook