“Deus fala, Deus faz” (cf. 1Rs 17)

Ao início da manhã de oração, foi conduzido um momento de invocação do Espírito Santo sobre a pregadora Camila, que, em seguida, cumprimentou a todos, manifestando a alegria de estar em mais um Seara, que vai chegando ao fim, depois de vivenciarmos coisas tão boas nesses dias de retiro.

Ela garantiu que Deus quer ter a certeza de que tudo aquilo que vivenciamos é da vontade d’Ele e tudo aquilo que Ele promete ao seu povo, Ele cumpre: “Deus quer nos amar, quer mostrar que seu amor é constante em nossa vida”, disse.

A pregadora tomou a Palavra no primeiro livro de Reis, no capítulo 17, a partir do oitavo versículo. Nesse momento, ela contou da sua participação no Grupo de Oração Nossa Senhora de Fátima, convidando as pessoas presentes a participarem. Após a proclamação da leitura, ela apontou três pontos para a reflexão a partir dessa passagem que narra a história da viúva de Sarepta. Elias pediu água e pão, ao que a viúva respondeu não ter o alimento, mas apenas um pouco de farinha na vasilha e um pouco de azeite na jarra, os quais usaria para preparar o alimento para ela e para seu filho. Com isso, Camila aponta que aquela viúva estava numa situação de escassez, passando fome.

No primeiro ponto de sua reflexão, a pregadora convidou a nos colocarmos na mesma situação narrada pela Palavra de Deus. Pediu que todos os presentes pensassem nos filhos ou em algum parente: “Imagina que você tenha um filho e não tenha nada a oferecer, além de um pouco de farinha e azeite”. Com isso, ela frisou – “a condição daquela viúva não era nada favorável”. Em seguida, indicou a importância de pensar no tema da morte, sobretudo naquilo que, muitas vezes, é sua causa: a fome. Temos fome de diversas coisas, acima de tudo, no campo espiritual.

No segundo ponto, Camila retomou a profecia de Elias e o convite à confiança (cf. 1Rs 17,13). Com isso, ela destacava a verdade que muitas vezes não acreditamos: Deus cumpre aquilo que promete. Assim como Elias viveu com profundidade a providência de Deus, também precisamos nos lançar nessa extrema confiança no Deus que promete e que cumpre.

No terceiro ponto, a pregadora frisou mais uma vez a afirmação: “Deus fala, Deus faz” (cf. 1Rs 17,16), para recordar que devemos confiar nas promessas de Deus, pois Ele não falha, é fiel. Sendo assim, podemos levar uma grande lição a partir desta Palavra: tudo aquilo que precisamos, todas as nossas dificuldades devem ser entregues nas mãos de Deus, pois temos um Senhor que providencia.

Camila partilhou que, em um dia, quando se dirigia à reunião de núcleo do Grupo de Oração, estava com seu coração muito angustiado, pois estudava na UFV e, por ser de Carangola, teria de se mudar quando terminasse o seu curso, no entanto seu namorado mora também em Viçosa, isto é, vivia um momento de decisões, encaminhamentos e enfrentava muitas dificuldades. Foi quando Paulo e Claudete partilharam, naquele momento, a passagem de Hebreus 8,1: “Temos um Sumo Sacerdote, que está sentado à direita do trono da Majestade divina nos céus”, tida por ela como uma profecia.

Ela disse ter duvidado daquela promessa de Deus. No ano passado, ao terminar o curso e procurar emprego, recordou a profecia de Ir. Zélia – “a porta que Deus abre, homem nenhum fecha” – e tomou posse daquilo: Deus parecia apontar para ela que a jarra e a vasilha não haviam secado, ainda havia farinha e azeite na vida dela. Bastou que acreditasse, que tomasse posse daquela certeza para que sua vida se transformasse.

Camila partilhou a sua dificuldade em confiar profundamente em Deus, pois não conseguia se entregar às promessas de Deus, mas foi a partir disso que ela experimentou realmente: “Deus não falha. Aquilo que Ele fala, Ele faz”. Ela afirmou que, por mais que ainda não tenha conseguido o emprego que necessita, hoje ela pode acreditar e ter mais confiança que Deus é fiel, e que tudo acontece no tempo d’Ele, de acordo com a vontade d’Ele.

Geovane Macedo da Costa
Equipe de Mídias – Seara 2020

Comentários no Facebook